domingo, 4 de fevereiro de 2018

Casca

Existe um tipo de esforço que a gente pode fazer e um outro tipo que deixa a gente sem fôlego.

***

Eu sou a primeira a dizer pra qualquer um: " as pessoas só fazem com a gente aquilo que a gente permite" e tô aqui às voltas com situações em que só fico: " ai, meu deus, tão triturando o meu coração!" Daí que de todos lados têm surgido uns puxões de orelha, do tipo " minha filha, é você, é seu coração, se posiciona, se protege". Às vezes, a gente coloca o coração na máquina de triturar e acha que é assim que se garante o amor.  E é tão confortável ser aquela que sofre porque você pode simplesmente dizer: "olha,mas eu tô aqui fazendo tudo que posso!" Eu não quero mais ser assim. Quero perceber logo quando eu estiver sendo assim.

Alguém disse pra minha amiga (mas poderia ter dito pra mim também) que ela se esforçava demais. E pra que se esforçar tanto? Por que achar que precisa se esforçar tanto?

Disseram pra mim que é preciso colocar limite, criar casca.

E eu entendo tudo  isso como necessidade de amadurecer, de ter consigo o cuidado que as pessoas às vezes não têm.  Só a gente sabe o que sente, o que aguenta, o que dói, onde dói.  Se encontra quem tem cuidado com tudo isso, ótimo. Se não encontra, tem que saber dizer: olha, toma cuidado aqui comigo! Olha, não passa desse ponto aqui. Eu não sei fazer isso. Ou fico defendida feito um cão feroz, ou acho que o cuidado é inerente ao amor. Me sinto até idiota escrevendo isso.  

***
"Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria  como menino, mas logo cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino" (1 coríntios 13:11)

Talvez eu esteja desvirtuando o sentido do versículo, , mas a mim sempre pareceu que Paulo estava falando sobre amadurecer.


  

segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

There's something you should know

Estou lendo um livro juvenil tão bonitinho, daqueles com histórias de amor que não parecem possíveis. Devem ser possíveis, sim. Eu é que sou cética. No livro, o casal formado pelos adolescentes mais adoráveis dança ao som de Ben. Conheço a música, claro, mas não entendia uma palavra da letra. Fui olhar a tradução antes de continuar a ler a história. Chorei enquanto lia. Enquanto o casal adorável dançava, Ben pareceu a música mais bonita do mundo.



 

sábado, 27 de janeiro de 2018

Antes da fase em que não se tem nada mais pra dizer  vem a fase em que você tem medo de dizer qualquer coisa, e quando diz sai tudo diferente do planejado porque você já não sabe com quem tá falando, já não é quem a pessoa pensa estar ouvindo. Acho que todo mundo já passou por isso, eu já tinha passado, mas não lamentando e sentindo o coração partir  mais um pouquinho como agora..

quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

Minha crise dos 30 chegou aos 32 e meio. Um dia olhei minha boca no espelho e cismei que precisava de preenchimento labial. Eu sabia que não tinha o menor sentido nessa cisma, mas tava decidido: eu precisava, minha boca tava murcha e torta. Todo dia eu olhava, até que chamei minha ex-roommate e pedi que analisasse a situação. Pedi a ela já sabendo que ouviria uma risada. Eu precisava daquela risada. Agora, tenho 33 e meio. Não tenho cabelos brancos nem rugas aparentes, mas cismei que tenho o mesmo bigode chinês que a minha mãe, que tem 60. Minha mãe e eu não nos parecemos em nada fisicamente - aliás essa é uma das questões da minha vida-, mas vejo uma sombra do bigode chinês dela no canto dos meus lábios. Parece que a crise gira em torno da minha boca.

Tenho 33 e meio, e essa parece ser a idade de qualquer pessoa menos a minha. Eu parei nos 28. Não sou crescida o bastante pros 33. Tenho medo de escuro e não sei que dia da semana é hoje. Meu armário é uma zona. Minha cabeça é uma zona. Tenho 33 e minha vida parece toda fora do lugar. Há uns 2 anos fui no Cadu, um cara maravilhoso que faz mapas astrais maravilhosos. Não acredito em astrologia, acredito no Cadu. E ele me disse que eu ia mudar de casa, mudar as perspectivas, mudar o modo de me relacionar com as pessoas. Com o mapa astral, funciona assim: você faz,continua vivendo e aí no momento certo lembra do que foi dito.  Fui vivendo até que cheguei aqui, nesse ponto em que não sei como é o chão embaixo dos meus pés. Verdade que deixei pra trás uns traumas e uns medos velhos, no entanto tenho novos medos. Parece que só tenho medos. E virei ( ou resgatei) a pessoa que só chora. Hoje mesmo chorei no ônibus, voltando de uma tarde solitária e confortável na praia. Chorei abertamente, mas ninguém olhou pra mim, só a moça pra quem eu avisei que o cadarço tava desamarrado. Chorei porque meu coração tá trincado de medo.

Aos 33, eu devia ser mais sábia? Aos 33, eu devia saber que amor não garante nada? Devia saber que a vida muda muito? E lá tô eu chorando de novo. Minhas glândulas lacrimais fazem o que querem.